LogoUT

Desenvolvimento tecnológico fomenta o mercado de Eletrônica

14/03/2017

A utilização intensiva de tecnologias, a competitividade do mercado e a importância do setor industrial na economia brasileira são alguns dos fatores que têm garantido a atratividade da formação técnica em Eletrônica no atual cenário profissional. O CEFET-MG oferece o curso em duas Unidades: Araxá e Belo Horizonte.

O conselheiro da Câmara Especializada de Engenharia Elétrica do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA-MG), Rinaldo Duarte Teixeira de Carvalho, explica que o curso é um dos mais tradicionais do Brasil e que “a área automotiva, o setor da saúde e o de equipamentos industriais têm se destacado nos últimos anos com alta demanda por técnicos, sendo requisitados principalmente pelos estados do Sudeste (com maior necessidade em São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais) e também na região Norte, que ainda possui poucos profissionais formados nessa área”.

Segundo o site Catho (classificados de empregos), a média nacional de salário para os profissionais recém formados gira em torno de R$2 mil, podendo ser mais altos em alguns estados de acordo com a demanda e a área de atuação. Após o término da formação, o profissional tem a oportunidade de atuar em indústrias montadoras e de tecnologia da informação ou áreas relacionadas, assim como em qualquer empresa que disponha de ferramentas digitais e eletroeletrônicas em sua operação. Entre outras funções, o técnico participa no desenvolvimento, na execução e na manutenção de projetos, observando as normas técnicas e de segurança; realiza medições, testes, reparos e instalações de componentes eletrônicos.

O coordenador em Araxá, professor Hebert Radispiel Filho, explica que o candidato ao curso no CEFET-MG deve ter preferencialmente afinidade com a área de exatas. “É uma das formações que mais oferece oportunidades no mercado de trabalho, pois o campo de atuação para um profissional qualificado em Eletrônica apresenta oportunidades em todos os segmentos da economia”, avalia. O conselheiro Rinaldo considera também que, para se destacar no mercado de trabalho, o profissional técnico deve ter habilidades como disponibilidade para trabalhar em turnos e em viagens, compromisso com a formação contínua e de aprendizagem, ter nível satisfatório da língua inglesa e até mesmo uma segunda língua como o espanhol e, principalmente, estar registrado no seu conselho de classe (CREA-MG).

No CEFET-MG, o curso é oferecido nas modalidades integrado, concomitância externa e subsequente. O candidato na modalidade integrado deverá ter concluído o Ensino Fundamental, na modalidade concomitância externa deve estar cursando no mínimo o 2º ano do Ensino Médio e na modalidade subsequente ter concluído o Ensino Médio. A coordenadora do curso em Belo Horizonte, a professora Daniela Legnani de Souza Wilken explica que em todas as modalidades, o aluno deve fazer o estágio supervisionado obrigatório em  empresas do ramo. “O estágio deve ser de, no mínimo, seis meses e 480 horas e é acompanhado por professores da Instituição”, acrescenta.

Secretaria de Comunicação Social / CEFET-MG
 

  • imprimir
  • Compartilhe:
  • 4314
  • Visualizações: