LogoUT

História

História e tradição

O CEFET-MG é uma instituição de ensino centenária, com sua origem no Decreto nº 7.566, assinado pelo Presidente Nilo Peçanha, em 23 de Setembro de 1909 e, em 1978 passou a oferecer o Ensino Superior. Durante sua trajetória, o CEFET-MG recebeu diversas denominações:

1909 – Escola de Aprendizes Artífices de Minas Gerais
1941 – Liceu Industrial de Minas Gerais
1942 – Escola Técnica de Belo Horizonte
1969 – Escola Técnica Federal de Minas Gerais
1978 – Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Estrutura Multicâmpus

O CEFET-MG é a maior instituição de ensino tecnológico do Estado de Minas Gerais, levando às cidades seu ensino qualificado, suprindo a necessidade de mão obra capacitada. Suas unidades estão em áreas com intenso desenvolvimento industrial.
1909 – Belo Horizonte
1987 – Leopoldina
1992 – Araxá
1994 – Divinópolis
2006 – Timóteo
2006 – Varginha
2007 – Nepomuceno
2010 – Curvelo
2012 – Contagem

Verticalização

O CEFET-MG oferece ao seu aluno uma formação acadêmica completa, desde o técnico de nível médio até o doutoramento. Dentro da Instituição, estudantes de todos os níveis integram grupos de pesquisas, compartilham conhecimento e são orientados por um corpo docente apto e atuante em todas as camadas de ensino. O reconhecimento desse empenho do CEFET-MG é visto tamanho o investimento do Governo Federal e do Governo Estadual em bolsas para nossos pesquisadores.

Educação Profissional e Tecnológica

A educação profissional e técnica mudou ao longo da história da instituição, em constante diálogo com a realidade. Das primeiras aulas voltadas à capacitação quase artesanal na Escola de Aprendizes Artífices, nossos cursos acompanharam a crescente industrialização nacional, e hoje abarcam setores de serviço, novas tecnologias e preocupações sociais. Os técnicos certificados pelo CEFET-MG apresentam uma sólida formação científica e tecnológica, além de vivenciarem um ambiente que lhes propicia contato com as novas fronteiras do desenvolvimento e uma visão crítica da sociedade em que estão inseridos e na qual irão atuar. Mesclando tradição e inovação, os cursos técnicos do CEFET-MG auxiliam nossos alunos na sua formação para o mundo do trabalho e as múltiplas possibilidades e demandas que a sociedade contemporânea nos coloca.

Cursos de graduação

A consolidação do CEFET-MG como uma instituição de ensino superior foi resultado de uma política institucional que consolidou várias áreas do conhecimento, de um intenso programa de capacitação do corpo docente e da constituição de novos grupos de pesquisa. Atualmente, o CEFET-MG oferta 16 cursos de graduação, com cerca de 4000 estudantes.
Os profissionais graduados pelo CEFET-MG estão aptos a responder aos desafios do mercado de trabalho, prontos a proporem novas soluções e assumirem a responsabilidades de grandes projetos na sua área de atuação.

Programa de Pós-Graduação

O CEFET-MG, na década de 80, acertou com a Universidade de Tecnologia de Loughborough um Acordo de Cooperação Técnica, com apoio da CAPES e do Conselho Britânico, para viabilizar um programa de mestrado para aprofundar a capacitação do corpo docente e, dessa maneira, o CEFET-MG pudesse oferecer outros cursos de graduação além das Engenharias Elétrica e Mecânica. O resultado do projeto foi o Programa de Mestrado em Tecnologia que, já em 1991, possuía seu próprio corpo docente e infraestrutura laboratorial.
Em 2013, o CEFET-MG já oferecia sete programas de mestrado, bem como um programa de doutorado.

Pesquisa

Os primeiros grupos de pesquisa do CEFET-MG surgiram nos anos 90. Foram os responsáveis pela inscrição junto ao CNPq e com início, tiveram início os Programas de Mestrado. Em 2012, o CEFET-MG já contabilizava 76 grupos ativos de pesquisa, graças à política institucional que gerou apoio e incentivou a formação de novos conjuntos de pesquisadores. Fruto desse trabalho é o aumento no número de mestres e doutores na Instituição.
Um aspecto importante dos grupos de pesquisa é a reunião de estudantes de todos os níveis de ensino, isto é, alunos do ensino técnico trabalham juntamente a graduandos, mestrandos e doutorandos. Como resultado, o CEFET-MG possui o maior Programa de Bolsas de Iniciação Científica Júnior do país, com 180 bolsas anuais. A conseqüência desse trabalho é um aluno com alto nível de conhecimento e especialização, e reconhecimento em âmbito internacional.

Extensão

A Diretoria de Extensão e Desenvolvimento Comunitário (DEDC) do CEFET-MG foi criada em 2008 a partir da Diretoria de Relações Empresarias, tendo em vista a necessidade de atualização das estruturas organizacionais frente aos desafios acadêmicos e sociais. Outrossim, a política nacional de extensão vem sendo pactuada pelas Instituições de Ensino Superior e encontra-se expressa no Plano Nacional de Extensão; dessa forma, o CEFET-MG, através da DEDC, realiza a extensão universitária sob a forma de programas, projetos, cursos de extensão, eventos, prestações de serviço, além da elaboração e difusão de publicações; permitindo a ampliação do acesso ao saber e o desenvolvimento tecnológico e social do país. Para tanto, a DEDC é atualmente composta com as seguintes coordenações e seus respectivos propósitos:

- Coordenação Geral de Atividades Culturais com a finalidade de ampliar e qualificar as ações culturais e seus significados para o público interno e externo, de forma a consolidar e evidenciar o papel catalisador e irradiador da instituição;
- Coordenação Geral de Programas de Estágio com a finalidade de gerenciar ações que visam a integração e acompanhamento dos alunos do CEFET-MG no ambiente profissional, levando em consideração a legislação vigente e os projetos pedagógicos dos cursos da instituição;
- Coordenação Geral de Programas de Extensão e Desenvolvimento Comunitário com a finalidade de consolidar a política de extensão, por meio do fomento e do desenvolvimento de estruturas facilitadoras de planejamento, organização e execução, capazes de ampliar a quantidade, a qualidade e a repercussão das ações, consorciadas com o ensino e a pesquisa, em benefício dos alunos, do desenvolvimento tecnológico e comunitário;
- Coordenação Geral de Relações Étnico-Raciais, Inclusão e Diversidade com a finalidade de planejar, organizar e executar ações correlatas a temas étnico-raciais, de gênero, de diversidades e de inclusão das pessoas com necessidades educacionais específicas através do NAPNE;
- Coordenação Geral de Transferência de Tecnologia com a finalidade de consolidar a política de empreendedorismo e inovação tecnológica, por meio do apoio ao desenvolvimento de empresas, produtos e tecnologias, de forma aplicada para a sociedade em geral, tendo a Nascente Incubadora de Empresas como um de seus órgãos executivos.